Poema em Preto e Branco
   por Fábio Braga
 CORINTHIANS
 TODOS OS JOGOS
 ÚLTIMOS JOGOS
 PRÓXIMOS JOGOS
 HISTÓRIA
 TÍTULOS
 JOGOS HISTÓRICOS
 ÍDOLOS
 ESCUDOS
 CURIOSIDADES
 HINO
 + CORINTHIANS
 MAIS FUTEBOL
 ALMANAQUE DAS
 COPAS
 TODOS OS JOGOS
 DAS COPAS
 O AUTOR
 QUEM SOU
 CONTATO
 MINHAS FOTOS
 RECONHECIMENTO
 COLABORADORES
 OUTROS SITES
 SITE OFICIAL
 OUTROS LINKS

Compartilhe:

voltar para "+ Corinthians"

Poema em Preto e Branco (Uma Canção Corinthiana)

Que paixão é essa,
Que transforma o mais paupérrimo dos plebeus em nobre da mais alta fidalguia?

Que arte é essa,
Que retira de mim as tintas da miséria e me confere contornos de inigualável realeza?

Que amor é esse,
Que sofre e não abandona?

Que loucura é essa,
Que interdita a razão e obsta o bom senso?

Que doença é essa,
Que estanca os males da vida e cura a minha dor?

Que sentimento é esse,
Que dá substância ao solitário vazio e no dia de frio expele calor na multidão?

Que povo é esse,
Que esquece de si mesmo e se entrega à liberdade de poder gritar: eu nunca vou te abandonar?

Que orgulho é esse,
Que se basta, se afasta, se enlaça num oceano de sonhos?

Que bandeira é essa, cuja imensidão é do tamanho de uma noite em que se vêem todas as estrelas do céu?

Que coração é esse,
Donde brota tanto sangue e pulsa a história?

Que emoção é essa,
Que me enleva em glória, passado, presente e futuro?

Que time é esse,
Que me alegra em sofrimento, me revoluciona em tradição e me envolve em esperança e gol?

Que torcida é essa,
Que não cansa, não pára e nunca se entrega?

Que ser é esse,
Que é muito maior do que um gol, uma partida, um placar, um campeonato?
Que o substantivo não diz, o predicado não qualifica, o verbo não fala?

Que fiel verdade é essa,
Que diz amor quando todas as auroras já se romperam?
Que fala em esperança quando a mais profunda escuridão já se vai em noite alta?
Que solta seu grito de guerra, porquanto a subserviência nos é impossível?
Que não se agasta enquanto o céu desafia a nossa lógica?
Que não se abala ao ver o chão se abrir?

Que nação é essa,
Que sozinho me faz gritar teu nome e na multidão me faz chorar calado?

Que hino é esse,
Que é o símbolo de cada gota de suor em acordes majestosos?

Que camisa é essa,
Que invade um país e canta na noite sem lua, em chuva de prece, vence na água barrenta de um templo cuja noite o tempo jamais esquecerá?

Se você não sabe o que é isso, amigo, desculpe-nos, mas essa história não te pertence.
Não me leve a mal.
Essa glória, com todo respeito, pertence exclusivamente àqueles que nunca entram em campo só com onze jogadores.

Fábio Braga.

Araraquara, 26 de janeiro de 2008, sábado, 16:23 hs.


Compartilhe:

Voltar para o início da página


HOME  |  TODOS OS JOGOS  |  HISTÓRIA  |  TÍTULOS  |  JOGOS HISTÓRICOS  |  ÍDOLOS  |  ESCUDOS  |  CURIOSIDADES  |  HINO  |  + CORINTHIANS  |  MAPA DO SITE

QUEM SOU  |  CONTATO  |  MINHAS FOTOS  |  RECONHECIMENTO  |  COLABORADORES  |  CRÉDITOS E AGRADECIMENTOS

© 2007 - 2019 VICTOR HUGO BRIZOTTO GARCIA

Envie seu comentário, crítica ou sugestão para contato@todopoderosotimao.com Curta o Todo Poderoso Timão no Facebook!
Siga o Todo Poderoso Timão no Twitter!
Siga o Todo Poderoso Timão no Instagram!