Corinthians - História
   1955 - 1976
 Visite o Blog!
 Escolha o período  da história
 1910 à 1912
 1913 à 1939
 1940 à 1954
 1955 à 1976
 1977 à 1989
 1990 à 2005
 2006 à 2013
 2014 à 2016
 Home
 Corinthians
 Todos os Jogos
 Últimos Jogos
 Próximos Jogos
 História
 Títulos
 Jogos Históricos
 Ídolos
 Escudos
 Curiosidades
 Hino
 + Corinthians
 Blog
 Mais Futebol
 Almanaque das
 Copas
 Todos os Jogos
 das Copas
 O Autor
 Quem sou
 Contato
 Minhas fotos
 Reconhecimento
 Colaboradores
 Outros Sites
 Site Oficial
 Outros Links

Compartilhe:

1955 à 1976 - O jejum e a Invasão


Escolha um ano: 1955 | 1956 | 1957 | 1958 | 1959 | 1960 | 1961 | 1962 | 1963 | 1964 | 1965
1966 | 1967 | 1968 | 1969 | 1970 | 1971 | 1972 | 1973 | 1974 | 1975 | 1976


1955

Após a espetacular conquista do título de 1954, a torcida não poderia imaginar que o clube entraria na pior fase de sua história. Mas apesar disso, o Corinthians teve um retrospecto considerado bom no primeiro dos 22 anos de jejum.

Mais pelo que fez no final de 1955, já que no início dele, o Corinthians ficou na última colocação do Rio-São Paulo, que havia ganhado nos dois anos anteriores.

A fraca campanha no torneio, nove jogos, uma vitória e cinco derrotas, não teve explicação lógica e deixou os torcedores preocupados.

Porém, um torneio amistoso realizado após o Rio-São Paulo acabou trazendo a paz de volta ao alvinegro. O Torneio Internacional Charles Miller, que contava com a presença de Palmeiras, Flamengo, América do Rio, Peñarol e Benfica, foi conquistada com muito brio.

A conquista da Taça Charles Miller não foi a única de 1955. As Organizações Victor Costa (futura Rede Globo) promoveram um concurso par escolher o time mais querido do Brasil, através do voto popular. Não preciso nem dize quem ganhou esse troféu, né? Com 471.450 votos, o Timão ficou a frente do Flamengo (155.300 votos) e levou mais esse belo troféu para casa


Troféu "O Mais Querido do Brasil"
(Foto: Arquivo Victor Hugo)

1956

No ano seguinte, três lembranças positivas: o atacante Paulo, artilheiro do Torneio de Classificação do Paulistão, com 19 gols, o título da Copa do Atlântico, e a primeira conquista da Taça dos Invictos, após ficar 25 jogos sem perder (17 vitórias e 8 empates).

1957

O ano de 1957 acaba dando apenas uma felicidade para o Timão. Em uma partida contra o Santos, em novembro, o clube conquista a posse definitiva da Taça dos Invictos, um troféu oferecido pelo jornal “A Gazeta Esportiva” ao time que ficasse mais tempo invicto no Paulistão.

Ver "Curiosidades - Maiores Invencibilidades".

1958 e 1959

Com a saída dos principais atacantes do time, Carbone, Cláudio e Baltazar, a equipe viu-se obrigada a passar por uma reformulação. Porém, sem dinheiro em caixa e com poucas revelações vinda dos juniores, o Corinthians acabou se enfraquecendo.

Os três goleadores encerraram a carreira e deram lugar para jovens como Índio, Zague e Roberto Bataglia.

Com exceção de Zague, que foi artilheiro do time em 1958 e 1959, os outros atacantes não conseguiam marcar os gols que os antigos ídolos faziam. Assim, o Corinthians, em 1958, ficou em terceiro, tanto no paulista, quanto no Rio-São Paulo.

Apesar de ter feito 93 gols no Campeonato Paulista, o Timão não impressionou. Afinal, a grande sensação do torneio era o Santos, de Pelé, que marcou 123 gols.

De título mesmo em 58, apenas o Torneio de Brasília.

Em 1959, Vicente Matheus assume a presidência pela primeira vez e começa fazendo mudanças. A primeira delas é colocar o técnico Sílvio Pirillo no comando da equipe. Em campo, porém, o alvinegro continua na mesma. Com um elenco limitado, termina o Rio-São Paulo em penúltimo, enquanto que no Paulistão fica apenas com o quinto lugar.

Os maus resultados acabaram trazendo conflitos para o Parque São Jorge. O técnico Sílvio Pirillo se desentendeu com Luizinho e o atacante decidiu sair do clube, indo para o Juventus.

Logo depois, o treinador perdeu o cargo. Em seu lugar entrou Alfredo Ramos, e em seguida Jim Lopes. Todos, no entanto, passaram e não deixaram boas lembranças.

1960 e 1961

Em 1960, o Corinthians fez uma campanha modesta no Rio-São Paulo. Terminou na terceira colocação. A mesma do Campeonato Paulista, onde ficou atrás de Santos e Portuguesa.

No começo de 1961, o Corinthians fez um amistoso contra o Flamengo, no Parque São Jorge, para inaugurar o sistema de iluminação de seu estádio. A goleada dada por 7 a 2 impressionou e deu ânimo para que a equipe buscar o título que não conquistava havia sete anos.

Mas, passada a festa contra os cariocas, o alvinegro voltou à estaca zero.

Os reforços que chegaram do Flamengo, Espanhol, Manoelzinho, Ferreira e Beirute, não convenceram e ainda fizeram com que o Corinthians virasse motivo de risos. “Faz-me rir”, nome de uma canção de sucesso cantada por Edith Veiga, virou o apelido do time.

O folclórico Vicente Matheus, que assumiu a presidência do clube em 1959, começou fazendo de tudo para tentar tirar o Corinthians do jejum de títulos. Em uma tentativa desesperada, comprou o passe do atacante Almir Pernambuquinho, do Vasco, por cerca de 7 milhões de cruzeiros, uma fortuna na época.

Muitos dizem que o cartola tirou o dinheiro do próprio bolso para trazer o jogador. Conhecido por sua fama de indisciplinado, o craque causou ciúmes no elenco, devido ao seu alto salário.

Almir acabou não jogando bem e foi vendido no ano seguinte para o Boca Juniors, da Argentina. Justamente em sua estréia por lá, fez dois gols em cima do Corinthians, na goleada de 5 a 0 no estádio La Bombonera, em Buenos Aires.

Matheus, que veio da Espanha em 1914 aos 6 anos, voltou a presidir o clube mais sete vezes: 1972, 1973, 1975, 1977, 1979, 1987 e 1989.

Nesse período, conquistou dois dos mais importantes títulos do Timão: o Paulistão de 1977 e o inédito Brasileiro em 1990. Casado com Marlene Matheus, que também presidiu o clube, de 1991 à 1993, Vicente ficou marcado por suas frases, umas verdadeiras, outras, pura lenda:

_”O Sócrates é invendável e imprestável.”

_”Quem sai na chuva é para se queimar”.

O ex-presidente morreu em 1997, de câncer, aos 88 anos.

Com os constantes fracassos, os torcedores adversários cantavam o “Faz-me rir’ a cada jogo do Corinthians.

Para piorar ainda mais a situação, o time perdeu por 7 a 0 para a Portuguesa e terminou o Campeonato Paulista de 1961 na Sexta colocação.

Cansado das gozações e da má administração, o goleiro Gilmar dos Santos Neves decide sair do Corinthians. O presidente Wadih Helu, eleito no início do ano, não conseguiu segurá-lo, já que o Santos ofereceu 10 milhões de cruzeiros, uma fortuna para a época.

1962

No ano seguinte, em 1962, o Corinthians começou mal e quase acabou numa boa. Após perder por 3 a 0 para o Palmeiras e ser eliminado do Rio-São Paulo, o Timão se reforçou com os atacantes Nei e Silva e conseguiu se sair bem no Paulistão.

Com 18 vitórias em 30 jogos, alvinegro ficou em segundo lugar, atrás apenas do tricampeão Santos.

Silva, com 29 gols, e Nei, com 17, deram um pouco de esperança para a torcida. Ainda nesse campeonato, uma partida decisiva contra o peixe, no Parque São Jorge, bateu o recorde de público no estádio (27.384 pagantes). O Santos venceu por 2 a 1.

De conquista mesmo, só a Taça São Paulo, uma espécie de Copa do Brasil do Estado de São Paulo.

1963

Em 1963, o Corinthians seguia em boa fase, mas ainda bem abaixo do Santos. No Rio-São Paulo, o Timão venceu todos os jogos contra os cariocas, mas perdeu três clássicos, contra o Santos, São Paulo e Palmeiras, e viu o peixe ser campeão.

Quando o time parecia dar sinais de melhora, veio o Campeonato Paulista, e uma série de fracassos. Os maus resultados fizeram com que a diretoria trocasse três vezes o técnico durante a competição. O primeiro, Fleitas Solich, caiu e deu lugar a Rato, que chegava para treinar o Timão pela 11ª vez. Um recorde.

Com um time muito jovem, Rato não conseguiu ser melhor e também acabou sendo demitido. Silva brigou com o diretor de futebol, Elmo Franchini, e foi afastado do time.

O último técnico, Del Debbio, não teve como evitar o fracasso. Resultado: o Corinthians fez sua pior campanha em Campeonatos Paulistas, terminando na 11ª colocação. Em 30 jogos, o alvinegro perdeu 11 e ganhou somente 10.

1964

Em 1964, com o retorno de Silva e de Luizinho, e a chegada de Flávio, o Timão volta a ter uma equipe competitiva.

Disputando o Paulistão palmo a palmo com o Santos, o clube fez a sua torcida vibrar naquele ano, que já era o décimo de fila.

O atacante Flávio, um dos melhores artilheiros da história do futebol brasileiro, acabou na segunda colocação entre os goleadores com 22 gols, atrás somente de Pelé.

E disputa entre os dois alvinegros era tão intensa que em uma partida na Vila Belmiro, os torcedores acabaram superlotando o estádio e causando um tumulto. No dia 20 de setembro, cerca de cem pessoas ficam feridas no estádio, obrigando o juiz Armando Marques a suspender a partida, que marcou o recorde de público do estádio. O jogo foi recomeçado no dia 30, só que dessa vez no Pacaembu, e terminou empatado em 1 a 1.

Para desespero dos corintianos, nas últimas rodadas o time caiu de produção. O técnico Osvaldo Brandão assume de novo. Porém, em sua reestréia como técnico, a equipe perdeu a chance de ser campeã, ao ser goleada pelo Santos, na Vila Belmiro, por 7 a 4.

1965

Depois de brilhar nas categorias de base do clube, o meia Rivelino ganhou a chance de ser titular com Brandão. Em sua estréia, no início de 1965, o time ganha do Santa Cruz por 3 a 1, e Riva marca o seu primeiro gol como profissional. O Corinthians também venceu o Náutico, o Sport e o São Paulo e faturou o Pentagonal do Recife, torneio amistoso disputado na capital pernambucana.

Para fortalecer o time, o presidente Wadih Helu contratou o meia Dino Sani e o goleiro Marcial. Com esses reforços, o Timão fica em terceiro no Paulista, e Flávio termina como vice-artilheiro do campeonato, com 30 gols. Rivelino logo ganhou o apelido de “Garoto do Parque”.

Ainda no ano de 1965, o Corinthians foi convidado pela CBD, Confederação Brasileira de Desportos, para representar a Seleção Brasileira em um amistoso na Inglaterra. Formado por Marcial, Galhardo (Jair Marinho), Eduardo, Clóvis e Edson; Dino Sani e Rivelino; Marcos, Flávio, Nei e Geraldo (Gilson Porto), o Timão perdeu por 2 x 0 para o Arsenal no dia 16 de novembro, jogando a uma temperatura de -3º. Mesmo com a derrota, o Timão voltou orgulhoso com a homenagem, sendo o primeiro clube a representar a Seleção fora do país.


O Timão virou Brasil.
Em pé: Oswaldo Brandão (técnico), Marcial, Clóvis, Maciel, Galhardo, Édson, Dino SAni, Edurado e Heitor.
Agachados: Jair Marinho, Nei, Rivellino, Marcos, Flávio, Geraldo, José e Gilson Porto.

Ver "Jogos históricos - Corinthians 0 x 2 Arsenal - O Timão foi Brasil (1965)".

1966

Para tentar pôr fim ao jejum, o Corinthians começou o ano de 1966 fazendo uma contratação bombástica: o bicampeão mundial Garrincha, ex-Botafogo.

Porém, com 33 anos, e muito mal fisicamente, a chegada do velho Mané não entusiasmou os torcedores por muito tempo.

Em sua estréia, no Torneio Rio-São Paulo, Garrincha não jogou nada e ainda teve que assistir ao Corinthians perder para o Vasco, por 3 a 0, no Pacaembu, no dia 2 de março.

No final daquele mês, devido à Copa do Mundo, a CBD resolveu encerrar o Rio-São Paulo. Com isso, quatro clubes que estavam empatados na primeira colocação com 11 pontos foram declarados campeões. O Corinthians, que pelo critério de desempate, era o quarto colocado, atrás de Botafogo, Santos e Vasco, nem comemorou aquele que seria o título que poderia dar um fim ao jejum (ver "Títulos - Torneio Rio-São Paulo de 1966").

Antes do Campeonato Paulista, mais um título internacional: a Copa Cidade de Turim.

No Paulistão, já sob o comando do técnico Zezé Moreira, Garrincha faz os seus últimos jogos pelo alvinegro. Mané disputou mais quatro jogos. O último deles no dia 23 de novembro na vitória de 1 a 0 em cima da Prudentina. No total, o atacante fez 13 jogos e marcou dois gols em um ano de Corinthians.

Quase: no dia 15 de dezembro, o Timão quase quebrou o tabu de nove anos sem vencer o Santos. A partida estava 1 a 1, quando Nair, do Corinthians, perdeu um pênalti a dois minutos do final.

1967

Em 1967, o Corinthians contrata o técnico Lula, que dirigia o Santos havia 14 anos. No Paulistão, o time fica em terceiro lugar e o atacante Flávio, com 21 gols, terminou como principal artilheiro.

No primeiro Torneio Roberto Gomes Pedrosa (Robertão), precursor do Campeonato Brasileiro, o Corinthians faz uma boa campanha e termina na terceira colocação.

1968

No Campeonato Paulista de 1968, o Timão entrou com todo o gás para finalmente acabar com o jejum de 13 anos sem títulos.

No dia 6 de março, o Pacaembu foi palco de uma das partidas mais emocionantes da história do clube.

Até aquela data, o Corinthians já estava 11 anos (22 partidas) sem ganhar do Santos, em jogos válidos pelo Campeonato Paulista. Um tabu que vinha desde os 3 a 3 em 1957, quando o Timão conquistou a Taça dos Invictos e jogou pela primeira vez contra o Rei Pelé. Mas dessa vez não teve pra ninguém.

Contando com os novos reforços Paulo Borges, Bulão e Eduardo, além do técnico Lula, o Corinthians entrou em campo determinado e pronto para passar pelo difícil, até então imbatível, Santos de Pelé. No primeiro tempo, o jogo terminou empatado. O grande destaque foi o zagueiro Luis Carlos, que fez uma marcação implacável no Rei.

No segundo tempo, o Corinthians começa pressionando e Rivelino chuta uma bola na trave. Logo depois, aos 13 minutos, Paulo Borges faz 1 a 0, após uma tabela com Flávio. Melhor em campo, o Timão segue firme em busca do objetivo. Aos 31 minutos, Rivelino lança Flávio, que aproveita a chance e aumenta: 2 a 0. Depois disso, o time só esperou o juiz encerrar para poder comemorar. Fim do tabu. A torcida invadiu o campo e carregou os heróis como se eles tivessem conquistado um título.

Ver "Jogos históricos - Corinthians 2 x 0 Santos - O fim do tabu (1968)".

Dois meses depois dessa histórica vitória, o Corinthians teve que amargar o trauma de chegar e morrer na praia. O time outra vez realizou uma boa campanha, mas no final do Paulistão, perdeu o título para o Santos.

1969

Em 1969, o time se reforçou com Aldo, Miranda, Suingue e Ivair e começou a brilhar no Paulistão. Mas após a morte do ponta-esquerda Eduardo, num acidente de carro que também morreu um outro jogador corintiano, Lidu, o time desanimou, perdeu a liderança e depois o título para o Santos. No segundo semestre, o Timão deslanchou e chegou ao quadrangular final do Robertão. Só que, para tristeza da torcida, especialmente a recém-criada Gaviões da Fiel, o time perdeu para o Cruzeiro na última rodada e desperdiçou a oportunidade de ser campeão.

De bom mesmo em 69, só a conquista do Torneio Costa do Sol, na Espanha, e do Troféu Apolo V, nos EUA.

1970, 1971, 1972 e 1973

No ano seguinte, o alvinegro contratou o lateral-direito Zé Maria e o atacante Mirandinha. Mas o péssimo rendimento no ano fez com que o clube entrasse em crise. Wadih Helu perdeu as eleições em 1971 e o time passa por dificuldades financeiras.

Dentro de campo, o Corinthians vencia o primeiro Torneio do Povo.

1972, o presidente Miguel Martinez foi destituído, e Vicente Matheus voltou a presidir o clube. Em campo, o Timão acabou novamente em quarto lugar no Campeonato Brasileiro e no Paulistão.

Em 1973, apenas o treinador mudou: Lustrich assumiu no lugar de Duque.

1974

Em 1974, depois de vencer o primeiro turno do Paulista, o Corinthians garantiu vaga na final do campeonato e teve a chance de acabar com o jejum que durava 20 anos. Na final contra o Palmeiras (campeão do segundo turno), a torcida lotou o Morumbi e já dava como certa a vitória. Porém o rival estragou a festa ao ganhar por 1 a 0, gol de Ronaldo. Desesperados, os diretores do Corinthians culparam Rivelino pela perda do título e acabaram vendendo o craque para o Fluminense.

1975 e 1976

Em 1975, o time não vai bem e chega em sexto no Brasileirão e quarto no Paulista. Enquanto isso, Rivelino era campeão carioca pelo Flu. De bom nesse ano, só a conquista da Copa São Paulo, torneio internacional disputado em São Paulo.

Após ter ficado em 11º no Paulistão, o Corinthians depositou todas as suas forças no Campeonato Brasileiro de 1976. Classificado entre os quatro primeiros, o Timão foi para o Rio de Janeiro fazer a semifinal contra o Fluminense.

No dia 5 de dezembro, mais de 70 mil torcedores corintianos foram ao Maracanã prestigiar o time. Nunca nenhuma torcida havia feito isso. A partida ficou lembrada como a "Invasão da Fiel Torcida". Foi o maior deslocamento de pessoas no mundo por um evento esportivo de todos os tempos. Em campo, o Corinthians teve que se desdobrar para superar, nos pênaltis, o forte Fluminense de Rivelino, depois do empate em 1 a 1 no tempo regulamentar. Mas conseguiu: 4 a 1 nos pênaltis! A euforia tomou conta dos corinthianos.

Ver "Jogos históricos - Corinthians x Fluminense - A invasão Corintiana (1976)".

Ver "Curiosidades - As Invasões Corinthianas".

A festa só não foi maior porque o time perdeu a final para o Inter uma semana depois, ao perder por 1 a 0 no Beira-Rio Ainda não fora daquela vez.

1977 à 1989: O fim do jejum e a Democracia


Compartilhe:

Voltar para o início da página


1910 à 1912: Um começo difícil

1913 à 1939: Três décadas. Três Tri's

1940 à 1954: O ataque dos 100 gols

1955 à 1976: O jejum e a Invasão

1977 à 1989: O fim do jejum e a Democracia

1990 à 2005 : Anos dourados

2006 à 2013: Da queda ao Bi Mundial

2014 à 2016: Nova Casa. Novos Tempos



Home  |  Todos os Jogos  |  História  |  Títulos  |  Jogos Históricos  |  Ídolos  |  Escudos  |  Curiosidades  |  Hino  |  + Corinthians  |  Blog  |  Mapa do Site

Quem sou  |  Contato  |  Minhas Fotos  |  Reconhecimento  |  Colaboradores  |  Créditos e Agradecimentos
© 2007 - 2016 Victor Hugo Brizotto Garcia

Envie seu comentário, crítica ou sugestão para contato@todopoderosotimao.com Curta o Todo Poderoso Timão no Facebook!
Siga o Todo Poderoso Timão no Twitter!
Siga o Todo Poderoso Timão no Instagram!